A OBRA “AS QUEIMADAS”, DE ALFREDO ANDERSEN (1860-1935) E A REPRESENTAÇÃO DE IDENTIDADE NO PARANISMO

Ana Lúcia Guimarães, Fausto Alencar Irschlinger

Resumo


O Paranismo constitui-se como um movimento artístico e intelectual, que teve seu auge nas décadas 1920 e 1930, em regiões do Paraná. O presente trabalho busca analisar o movimento como parte da constituição identitária do estado, compreendendo-o como modelo instituído formalmente, advindo da necessidade de uma sintetização identitária pós-emancipação (1853), dotado de conotações políticas, que pertence, porém, a uma miríade constitutiva da identidade estadual, não sendo, desta forma, fator único desta. Buscando compreender de que forma o movimento interviu na construção e consolidação de símbolos e características identitárias do Paraná, utilizando-se de pesquisa bibliográfica sobre o tema e análise da representação empregada na obra “As queimadas [Lavadeiras]”, de Alfredo Andersen. Assim, pretende-se averiguar de que forma a Arte inseriu-se no movimento e qual sua relevância na efetivação de seus objetivos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/akropolis.v25i1.6669