DIVERSIDADE SEXUAL E GÊNERO: CONCEPÇÕES DE ADOLESCENTES E O TRABALHO EDUCATIVO EM SAÚDE

Mikhael dos Santos Theodoro, Bárbara Cossettin Costa Beber Brunini

Resumo


A definição da identidade do ser humano inicia-se na adolescência, fase que molda o caráter, o saber, e o intelecto individual. A educação nessa fase torna-se essencial, principalmente em relação à saúde do adolescente. Sabe-se que o enfermeiro é legal e eticamente responsável pela educação em saúde, conhecedor também da população local, e de suas realidades. O objetivo do presente estudo foi compreender como a diversidade sexual e as relações de gênero são produzidas e reproduzidas por meio da revisão de literatura e como a atuação do enfermeiro enquanto educador pode ser diferencial na educação sexual. Investir na saúde da população adolescente e jovem é custo efetivo porque garante também energia, espírito criativo, inovador e construtivo dessas pessoas, que devem ser consideradas como um rico potencial, capaz de influenciar de forma positiva o desenvolvimento do país. Conclui-se assim que é importante que o enfermeiro realize educação em saúde com os adolescentes para contribuir com seu crescimento intelectual, respeitando suas escolhas e permitindo que o autocuidado aconteça de fato, assim os adolescentes podem tornar-se mais independentes em sua saúde e bem-estar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v18i1.2018.6796