A EDUCAÇÃO E A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL NOS CLÁSSICOS: KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E JOHN DEWEY

Helton Adriano de Souza, Maria Inalva Galter

Resumo


Trata-se de uma revisão de literatura, surgida nas discussões da disciplina de Teorias Sociais e Educação na História Contemporânea, do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIOESTE/Cascavel, permeada pela questão: A educação transforma a sociedade? Para respondê-la perquiriu-se em Favoreto (2008) como Karl Marx descreve a categoria “transformação”, em seguida, tentou-se averiguar nas concepções de Émile Durkheim, em sua obra “educação e sociologia” e de Jonh Dewey, em “Democracia e Educação” se esse movimento era possível. Galter e Manchope (2003) contribuíram para a elucidação do texto de Durkheim. Biasotto e Galter (2016) ajudaram na leitura de Dewey. O desfecho aponta que, na concepção de Favoreto (2008) subsidiada por Karl Marx, para haver transformação social é preciso a ruptura com o capital e suas mediações. Durkheim e Dewey não estavam preocupados com a revolução. O primeiro confere à instituição escola um papel primordial para a harmonia social e o outro preocupa-se com as contradições da sociedade industrial de seu tempo acreditando que a experiência significativa por meio do ensino seria capaz de contribuir para a melhoria da vida humana.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v18i1.2018.6800