EDUCAÇÃO POPULAR, EUROCENTRISMO E APRENDIZAGEM

Wendell Fiori de Faria, Rosangela de Fátima Cavalcante de França, Rosangela Aparecida Hilário

Resumo


Pensar em educação popular é pensar na possibilidade de uma educação que possa contribuir para a promoção de um saber crítico/reflexivo, que ajude a romper com a manutenção do status quo, com vistas à libertação social, econômica, política e social dos sujeitos. Partindo desse entendimento, a pergunta que orienta esse estudo é: o que precisa ser repensado no que tange aos pressupostos da Educação Popular, para a superação das contradições determinadas socialmente às classes oprimidas? Nessa linha de raciocínio, o trabalho em tela tem como objetivo refletir a necessidade de rompimento com uma educação excludente, que contribui para reproduzir o saber coisificado e as relações estáticas de autoridade. No intento de alcançar tal proposição, orienta-se pelo pensamento de autores da literatura nacional e internacional que transitam no viés da educação popular. O resultado desse estudo bibliográfico aponta que os problemas atinentes à educação em pauta, são oriundos de uma construção histórica que precisam ser transformados pela ação do homem. Com tal resultado, conclui-se que há necessidade de ações proativas para atender esse segmento da população que não é atingido pelos sistemas formais de educação.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v18i2.2018.6970