A Dívida da Dúvida

Edy das Graças Braun

Resumo


A dívida da dúvida expressa a reação espontânea à rigidez do método. Porque resultou da insatisfação , do entendimento de que a ciência, razão aplicada aos saberes do mundo, não responde à emergência do propósito homem, dele... Entendemos que o conjunto das particularidades é mais amplo e múltiplo do que as partes. A reação poética se deu na cultimância do estudo do método cartesiano pelo método cartesiano. A dúvida no método cartesiano mantém a investigador no processo a tal ponto que, ao atingir as idéias claras e distintas, ele se apercebe que a dúvida tanto quanto o método são vazios e esse percurso já estava assim determinado antes, durante e ou após o evento. O exercício é o contorcionismo da própria razão para pôr-se sob controle. Nesse caso e para esse caso ele é uma dúvida cartesiana. E Descartes está em dívida, pois, ao colocar a razão e sua capacidade em destaque, maravilhou seu tempo, surpreendeu a pós-modernidade, mas ao revela-la, encobriu suas razões... Ora, a dúvida não mantém, necessariamente, o indivíduo a caminho. Ela pode gerar a insatisfação, o desespero, porque não tem correspondência natural com as coisas e não ser mantida latente no limiar entre o ser e o ter, vez outra vai interromper...

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v1i2.2001.829