Gestão do Conhecimento: Valorização das Pessoas como Fator de Vantagem Competitiva

Odacir Miguel Tagliapietra, Marcio Nakayama Miura

Resumo


Com o advento da industrialização, a organização do trabalho assumiu nova configuração. Nesse período, prevaleceram os sistemas mecanicistas de produção que obtiveram êxito, enquanto o ambiente encontrava-se estãvel e pouco competitivo. Com os avanços tecnológicos, as pessoas, gradativamente, foram substituídas pelas máquinas nas tarefas rotineiras e repetitivas. Com isso, às pessoas são atribuídas as atividades de planejamento, decisão e controle das operações. Por isso, as organizações que valorizam o potencial humano através da utilização da criatividade e das habilidades individuais e grupais possuem vantagem competitiva. A era que, hoje, denomina-se de Gestão do Conhecimento visa a oportunizar um novo ambiente organizãcional onde as pessoas possam criar e desenvolver novos conceitos para otrnar as organizações competitivas. Para que isso aconteça é necessário rever conceitos e modelos educacionais ultrapassados que enfatizam a transmissão de informações para uma educação permanente que estimule o potencial humano. A nova postura gerencial deve estar direcionada para o compartilhamento das informações. O administrador da era do conhecimento deve estar apto para abandonar modelos de administração obsoletos assumindo nova postura diante da nova configuração organizacional. As mudanças são imprevisíveis em intervalo curto de tempo. Por isso, é necessário pessoas que estejam preparadas para assumir desafios e que sejam flexíveis para adaptarem-se às mudanças constantes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/receu.v3i1.1468