A CULTURA DA COMPETIÇÃO NAS SOCIEDADES CONTEMPORÂNEAS E AS AMEAÇAS AO MODELO ATUAL DE GESTÃO FINANCEIRA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS BRASILEIRAS

Régio Marcio Toesca Gimenes, Isabel Cristina Gozer, Diego Fornazier Gozer

Resumo


A intensificação da concorrência entre países e blocos econômicos faz com que a sobrevivência fique mais difícil para empresas menos eficientes e gestores despreparados. Para sobreviver e crescer, empresas cooperativas ou não necessitam garantir um bom desempenho econômico, por estratégias diferenciadoras e uma gestão mais eficaz de seus negócios, atuando com vantagem competitiva nos mercados globais. Esse ambiente de negócios conduz os dirigentes cooperativistas a um momento de reflexão: se, por um lado, apresentam-se desafios e oportunidades; por outro, o estímulo à cultura da competição nas sociedades contemporâneas representa uma ameaça ao modelo atual de gestão cooperativista. Desse modo, o objetivo deste artigo é demonstrar a importância do cooperativismo agropecuário na cadeia de valor do agronegócio nacional, bem como levantar os principais desafios que lhe são impostos pelos mercados globalizados. A metodologia utilizada na pesquisa perseguiu as seguintes etapas: revisão do referencial teórico sobre os elementos que explicam a origem da sociedade cooperativa, as diferenças entre essa sociedade e as firmas de capital; suas contribuições para o desenvolvimento econômico e social; e seus principais desafios, especialmente aqueles relacionados à capitalização e ao financiamento do seu processo de expansão. Por fim, percebe-se que os desafios estão concentrados nos seguintes pontos: equilíbrio entre os aspectos econômico e o social; gestão democrática e a morosidade do processo decisório; separação da propriedade e do controle (profissionalização da gestão); oportunismo dos cooperados (fidelização); excessiva dependência de recursos de terceiros; elevados custos de coordenação; transação e governança corporativa.

Texto completo:

PDF