PARTICIPAÇÃO DO COOPERATIVISMO ENTRE AS MAIORES EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Fátima Maria Pegorini Gimenes, Isabel Cristina Gozer, Odair Alberton, Régio Marcio Toesca Gimenes

Resumo


O agronegócio é uma atividade abrangente que colabora para abastecer o mercado interno, exportar excedentes produtivos, gerar empregos e renda, além de possibilitar o crescimento econômico do país. Por sua vez, as cooperativas têm um papel importante em coordenar atividades agroindustriais tornando-as eficientes. Nesse sentido, destacam-se por agregar maior valor aos produtos e por sua cadeia produtiva que tem permitido ampliar as vendas internas e a pauta de exportações do setor. O cooperativismo agroindustrial passou a ser visto como uma alternativa para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro, tanto para grandes produtores rurais quanto para os pequenos e médios agricultores. O presente estudo tem como objetivo analisar a participação das cooperativas entre as quatrocentas maiores empresas do agronegócio brasileiro. A pesquisa será descritiva e documental, utilizando-se como procedimento metodológico o levantamento dos principais índices das cooperativas, em relação às quatrocentas maiores empresas do agronegócio brasileiro, no que se refere as vendas líquidas, a rentabilidade sobre as vendas, o endividamento geral, o número de empregados, os salários e encargos pagos, os tributos recolhidos e, finalmente, o valor das exportações. Os resultados do estudo permitem concluir que o índice de endividamento geral das cooperativas é o mesmo das empresas do agronegócio. Quanto à rentabilidade do patrimônio líquido, em média, as cooperativas apresentaram uma taxa superior a das demais empresas do agronegócio. Já no que se refere aos tributos, as empresas investigadas pagaram, em média, 3,9 vezes mais tributos do que as cooperativas. Também, as empresas, em média, exportaram mais, geraram maior número de empregos e pagaram mais salários e encargos do que as cooperativas na amostra em estudo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/receu.v16i1.5655