Estudo Morfológico Do Segmento Inicial Da Artéria Mesentérica Superior, Em Diferentes Idades

Rosângela Fernandes Garcia, Marcílio Hubner de Miranda Neto

Resumo


Este trabalho consta do estudo da constituição e das modificações sofridas pelo segmento inicial da artéria mesentérica superior, com a idade. O material foi obtido de 15 cadáveres, reunidos em 3 grupos etários: A, de 1 dia a 1 ano; B, de 6 a 8 anos e C, de 27 a 40 anos. As peças anatômicas foram submetidas a tratamento histológico. A túnica adventícia da artéria mesentérica apresentava redução de espessura, quando comparavam-se os grupos A, B e C, ao mesmo tempo que seus feixes de fibras colágenas tornavam-se mais espessos e menos ondulados. O contingente de lâminas e feixes de fibras elásticas maduras nos grupos B e C era menor que no grupo A, sendo verificada refução nos feixes de fibras oxitalânicas e elaunínicas, no grupo C. No grupo A, tanto na túnica média quanto na região subendotelial predominavam feixes de fibras musculares, ocorrendo gradativo aumento de fibras colágenas nos grupos B e C. Os feixes de fibras elásticas maduras eram escassos nesta túnica, nos 3 grupos estudados, enquanto os feixes de fibras oxitalânicas e elaunínicas estavam presentes em menor quantidade no grupo A que nos grupos B e C. Na túnica íntima, foram encontrados espessamentos regionalizados nos 3 grupos, sendo estes constituídos por grupamentos celulares e elementos fibrosos. Nestas regiões a lâmina elástica interna delaminava-se, estes espessamentos tornavam-se maiores com o progredir da idade. Discute-se que o aumento de fibras colágenas, oxitalânicas e elaunínicas da túnica média, juntamente com os espessamentos da túnica íntima e o aumento do colágeno subendotelial, reduz a distensibilidade do segmento inicial desse vaso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v5i2.2001.1117