Automedicação em Adultos na cidade de Guairaçá - PR

José Costa Araújo Junior, Geraldo Emílio Vicentini

Resumo


A prática da automedicação tem preocupado os vários setores da saúde pública no Brasil. Diversos fatores têm contribuído para este fato. As ações em beneficio de sua prevenção serão possíveis somente por meio de diagnósticos regionais, direcionando os programas que visem ao seu controle. Neste sentido, este trabalho teve por objetivo promover um levantamento da prevalêcia da prática da automedicação e traçar suas características na cidade de Guairaçá-PR. Este estudo transversal de base populacional utilizou 360 moradores, entre 20 e 80 anos, de ambos os sexos e de diferentes níveis sociais. O estudo identificou a prática da automedicação em 74,72% da população igualmente distribuída em ambos os sexos, com maior prevalência abaixo dos 50 anos de idade. A principal forma de escolha do medicamento foi a autoprescrição (52%). O trabalho revelou um panorama que pode ser variado em relação a outros estudos, porém mostra uma realidade preocupante com altos índices de automedicação, o grau de instrução como fator determinante, uso abusivo de analgésicos não-opióides, devido a distúrbios relacionados à dor, e uma alta prevalência de usuários do SUS praticando automedicação, revelando a necessidade de programas educativos e evidenciando a falta de uma atuação mais ativa dos profissionais ligados ao uso de medicamentos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v11i2.2007.1518