CONHECIMENTO CRONOBIOLÓGICO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA FACULDADE ASSIS GURGACZ E SUA RELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM

Adriano Miranda Gomes, Fabiana Cristina Silveira Alves de Melo, Kleber Fernando Pereira

Resumo


 O ser humano possui períodos do dia em que se encontra mais ativo, com maior facilidade para o aprendizado. Se um indivíduo conhecer seu cronotipo e os horários pertinentes e mais adequados para estudar, poderá distribuir tarefas diárias em favor da produtividade e qualidade de vida. Este trabalho teve por objetivo verificar o perfil cronobiológico dos acadêmicos do 3° período matutino e noturno do curso de Educação Física da FAG e compará-los com suas médias aritméticas. Para identificação dos cronotipos, aplicou-se questionário proposto por HORNE e OSTBERG (1976), adaptado por CARDINALI (1992). Constatou-se que dos 25 acadêmicos do período matutino, 8 (32%) têm seu cronotipo classificado como moderadamente matutino, 12 (48%) intermediário, 5 (20%) moderadamente vespertino, ou seja, estes últimos têm seu cronotipo em desacordo com o horário de estudo. Dos 46 acadêmicos do período noturno, 22 (47,83%) têm seu cronotipo classificado como intermediário, 8 (17,39%) moderadamente vespertino, 16 (34,78%) moderadamente matutino e estudam em desacordo ao seu cronotipo. Analisando-se as médias aritméticas dos 25 alunos do período matutino 5 (20%) tinham notas abaixo da media, sendo 1 deles moderadamente matutino, 2 intermediários e 2 moderadamente vespertinos. Dos 46 acadêmicos do período noturno, 5 (10,86%) apresentam notas abaixo da média, sendo 2 moderadamente matutino e 3 intermediários. Através dos dados, concluiu-se que os indivíduos que freqüentam as aulas em horários condizentes com o seu cronotipo podem apresentar uma maior produtividade, fato que contribuirá para uma melhor aprendizagem e qualidade de vida.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v12i3.2008.2542