COMPARAÇÃO DOS EXAMES DE ROTINA DE PACIENTES EM HEMODIALÍSE DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS DE UMA CLÍNICA PARTICULAR DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Ana Carolina Bordini Giannasi, Edmara Aparecida Baroni

Resumo


A doença renal crônica (DRC) compromete não só o sistema urinário, mas toda a homeostase do organismo. A progressão da perda da função renal pode provocar complicações como acidose metabólica e alterações cardiovasculares. Em sua fase mais avançada (falência funcional renal), os rins não conseguem manter a homeostase do meio interno, sendo necessária terapia de substituição renal - hemodiálise. Dentre as causas mais comuns de DRC, temos o diabetes melitus que, juntamente com a história familiar, determinam um quadro de risco elevado para o desenvolvimento da alteração renal. Esse estudo teve como objetivo comparar os exames laboratoriais de pacientes em hemodiálise diabéticos e os não diabéticos de uma clínica particular de Maringá-PR. Analisamos os exames de rotina de 55 pacientes, 25 diabéticos e 30 não diabéticos, que se submeteram a hemodiálise regular. Os resultados foram subdivididos em: P1= inicial, P2= 4, P3= 8 e P4= 12 meses. Os dados foram estatisticamente analisados pelo teste. Concluindo, a comparação dos exames de rotina dos pacientes em hemodiálise diabéticos e não diabéticos mostrou que os níveis plasmáticos da creatinina, ureia pré e pós-hemodiálise, proteína, albumina, potássio, cálcio e hematócrito dos pacientes diabéticos não foram estatisticamente diferente dos não diabéticos. No entanto, houve aumento significativo nos leucócitos dos pacientes diabéticos em hemodiálise (diabéticos: P1= 7743 ± 2698; P2= 7417 ±2066; P3= 8115 ± 2957; P4= 7774 ±2160 e não diabéticos: P1= 6052 ± 1984; P2= 6006 ± 857; P3= 6331 ± 1845; P4= 5551 ± 2011).

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v13i2.2009.3014