DISFUNÇÃO SEXUAL E O USO DE DROGAS: UMA ANÁLISE DIAGNÓSTICA

Viviane Valadares Pereira, Ariana Vitalina Ferreira, Rommel Larcher Rachid Novais, Heuler Souza Andrade, Eliete Albano de Azevedo Guimarães, Richardson Miranda Machado

Resumo


Objetivou-se caracterizar o perfil sociodemográfico e clínico de pacientes acometidos por disfunção sexual e o uso de drogas de um Centro de Atenção Psicossocial III de Minas Gerais, Brasil, entre 1997 e 2013. A amostra foi composta por 173 pacientes atendidos no serviço. Mais da metade dos pacientes é do sexo masculino (53,75%), possui entre 21 e 60 anos (92,4%) e com procedência de familiares (66,5%). Quanto ao uso de drogas, as mais prevalentes foram cocaína e crack (20,8%), álcool (20,2%) e fumo (16,8%). Dos diagnósticos de disfunção sexual, predominou ausência ou perda do desejo sexual (19,1%), falha de resposta genital (14,5%) e apetite sexual excessivo (14,5%). Parte deles recebe tratamento via permanência dia (52,0%), ficam por 31 a 60 (46,8%) no serviço, mas 53,2% abandonam o tratamento. A partir do conhecimento das características dos pacientes, as equipes multiprofissionais poderão aprimorar a assistência e o planejamento das atividades exercidas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v20i2.2016.4826