MICROALBUMINÚRIA EM PACIENTES HIPERTENSOS DA CIDADE DE SANTA HELENA – PARANÁ: PREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO

Katiane Lowe, Claudinei Mesquita da Silva, Leyde Daiane de Peder

Resumo


A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) representa um grande desafio para a saúde pública no Brasil, pois é considerada uma doença grave e um fator de risco para desenvolvimento de outras moléstias, como a doença arterial crônica. Aumentos ou decréscimos no valor de proteinúria são importantes marcadores do prognóstico renal do paciente. Dessa forma, em pacientes com doença renal, a pesquisa de proteinúria constitui um elemento importante no diagnóstico e no acompanhamento. Para o presente estudo foram selecionados de modo aleatório e em quantidade estatisticamente definida (√ n+1) 69 pacientes hipertensos de uma clínica particular da cidade de Santa Helena – PR. Os mesmos coletaram a primeira urina da manhã, a qual foi transportada em ótimas condições de armazenamento até Cascavel-PR, onde foi realizada a análise de microalbuminúria. Dos 69 pacientes estudados observou-se que 5 (7,2%) apresentaram microalbuminúria (valores entre 30 a 299 mg/L) e 1 (1,4%) apresentou macroalbuminúria (valor superior a 300 mg/L).  A partir dos dados analisados verificou-se que uma porcentagem considerável de pacientes portadores de HAS apresentam concentrações elevadas de albumina na urina o que indica provável problema renal instalado ou em instalação, conforme já demonstrado em outros estudos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v20i2.2016.5311