ANÁLISE HISTOLÓGICA DO ESTÔMAGO DA PROLE DE RATAS WISTAR SUBMETIDAS AO CONSUMO CRÔNICO DE ÁLCOOL DURANTE A PRENHEZ

Jivaldo Gonçalves Ferreira, Ilka Dayane Duarte de Sousa Coelho, Clovis José Cavalcanti Lapa Neto, Francisco Carlos Amanajás de Aguiar Júnior, Valéria Wanderley Teixeira, Álvaro Aguiar Coelho Teixeira

Resumo


O consumo de bebidas alcoólicas na gravidez consiste em um importante problema de saúde pública, visto que, pode causar prejuízos na organogênese de diversos órgãos, incluindo o estômago, entretanto, poucos estudos avaliam o efeito da exposição pré-natal ao álcool nesse órgão.  O objetivo deste estudo foi analisar histologicamente o estômago da prole de ratas submetidas ao consumo crônico de álcool durante a prenhez. Utilizou-se 10 ratas prenhes divididas nos grupos: Controle - ratas que receberam água destilada durante todo período gestacional e Álcool – ratas que receberam álcool etílico absoluto (3g/kg/dia) durante todo período gestacional. Logo após o nascimento, 12 neonatos (6 machos e 6 fêmeas) de cada grupo foram anestesiados e os estômagos coletados. Posteriormente, os órgãos foram fixados e processados seguindo a técnica histológica de rotina. Foram feitas análises histomorfométricas das camadas mucosa, muscular e da parede total do estômago. Observou-se que as proles macho e fêmea expostas ao etanol apresentaram diminuição da área de epitélio, contudo, os machos também mostraram redução significativa do número de células epiteliais. Demonstrou-se ainda redução na espessura das camadas mucosa, muscular e da parede total do estômago da prole fêmea do grupo Álcool. No entanto, a camada muscular apresentou aumento significativo em sua espessura no grupo de neonatos machos expostos ao etanol.  Assim, concluímos que a exposição pré-natal ao álcool provoca efeitos nocivos sobre o estômago dos neonatos, contudo, estudos futuros são necessários para melhor elucidar os mecanismos envolvidos na patogênese e possíveis consequências para os animais na fase adulta.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v23i2.2019.6999