OCORRÊNCIA DE DERMATÓFITOS EM TEGUMENTO DE BOVINOS E OVINOS HÍGIDOS

Flavio Oliveira Surpilli, Igor Renan Honorato Gatto, Danila Fernanda Rodrigues Frias, Dora Inés Kozusny-Andreani

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi verificar a prevalência de dermatófitos em tegumento de bovinos e ovinos hígidos e a sua capacidade de transmissão e desenvolvimento da doença. Para isso, foram coletadas amostras de pelo e descamações de 90 bovinos e 90 ovinos hígidos. Essas amostras foram semeadas em meio DTM e ágar Sabouraud Dextrose enriquecido com extrato de levedura, tiamina, antibióticos (estreptomicina e cloranfenicol) e suplementado de cicloheximida, sendo essas incubadas a 35 oC por 10 dias. As culturas positivas foram avaliadas macro e microscopicamente e, os fungos foram identificados por métodos bioquímicos. Verificou-se que as espécies isoladas com maior frequência, nos bovinos, foram T. mentagrophytes e M. gypseum. Nos ovinos, foi constatada maior ocorrência do agente T. verrucosum, seguido por T. mentagrophytes e M. gypseum. Houve também isolamento de M. canis, porém, em um número reduzido de amostras. Assim, concluiu-se que o tegumento de bovinos e de ovinos hígidos apresentou incidência elevada de dermatófitos de diferentes espécies, em amostras coletadas durante o período chuvoso do ano. Por isso, em animais jovens ou naqueles submetidos a elevados níveis de estresse e, consequente queda da resposta imunológica, o risco de desenvolvimento da dermatofitose e da transmissão dos dermatófitos neste período são eminentes.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v21i1.2018.5678