PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA FIBROPAPILOMATOSE EM TARTARUGAS-MARINHAS ENCALHADAS ENTRE O LITORAL SUL DE ALAGOAS E NORTE DA BAHIA, NORDESTE DO BRASIL

Leticia Koproski, Órion Pedro da Silva, Caio Alexandre Maciel Santos, Andrei Manoel Brum Febrônio, Fábio Teles de Santana, Jociery Einhardt Vergara-Parente

Resumo


Em um intervalo de quatro anos, a prevalência da fibropapilomatose em tartarugas encalhadas em uma região do nordeste do Brasil compreendida entre o sul de Alagoas e o norte da Bahia foi de 16% em Chelonia mydas, 2% em Caretta caretta e 0,6% em Lepidochelys olivacea. C. mydas acometidas apresentaram biometria média de 0,49m de Comprimento Curvilíneo da Carapaça - CCC. Machos e fêmeas foram igualmente acometidos, numa média de 22%. Pela análise de 1231 registros fotográficos, a média foi de 13 tumores por C. mydas. Nessa espécie 76,77% dos tumores foram registrados na parte anterior do corpo, 17,97% na região posterior, 4,12% na carapaça e plastrão e 1,0% nos globos oculares. Não foram registrados tumores na cavidade oral. C. mydas foram em sua maioria moderadamente afetadas pela doença. L. olivacea acometida apresentou biometria média de 0,69m de CCC. Machos e fêmeas foram atingidas numa média de 1,0%. Os tumores em L. olivacea foram observados na porção anterior e posterior do corpo. Somente um indivíduo do sexo masculino de C. caretta, com biometria de 1,03m de CCC apresentou sinal da doença. A C. caretta apresentava um tumor externo pedunculado na região cervical, de tamanho entre 1,1cm e 4,0cm de diâmetro. As prevalências da fibropapilomatose em Eretmochelys imbricata e Dermochelys coriacea foram de 0,0%. A prevalência da fibropapilomatose em C. mydas segue padrões encontrados para a costa brasileira. No entanto, a doença se manifesta com severidade levemente superior a encontrada no litoral da região sudeste do país.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v20i2.2017.5696