ABORDAGEM DA SAÚDE ÚNICA NA OCORRÊNCIA DE ENTEROPARASITAS EM HUMANOS DE ÁREA URBANA NO NORTE DO PARANÁ

Aline do Nascimento Benitez, Marcelle Mareze, Ana Carolina Miura, Deborah Thais Silva Cepelo Brunieri, Fernanda Pinto Ferreira, Regina Mitsuka-Breganó, Italmar Teodorico Navarro

Resumo


As enteroparasitoses causadas por helmintos e protozoários infectam humanos e animais no mundo todo, e sua prevalência está relacionada à falta de hábitos de higiene pessoal em consequência do seu ciclo oral-fecal. No Brasil, como não são doenças de notificação obrigatória, é possível que sua prevalência esteja subnotificada. Em Londrina, não existem dados sobre a prevalência dessas parasitoses na população urbana adulta, que ofereçam suporte para delinear programas de saúde preventiva na comunidade. Foram coletadas amostras de fezes de 187 humanos residentes na área urbana de Londrina para pesquisa de enteroparasitas. Dados epidemiológicos foram coletados por meio de um questionário epidemiológico aplicado a todos os participantes. As variáveis associadas ao risco foram analisadas conforme foram relatadas pelos indivíduos parasitados. Foram discutidos: gênero, idade, renda familiar mensal, lavagem das mãos antes da alimentação e após utilizar o banheiro, água de consumo, ocorrência de diarreia nos últimos sete dias, abastecimento de água e rede de esgoto. Foram detectados ovos ou cistos de parasitas em 8/187 (4,27%) amostras investigadas. A ocorrência do protozoário Giardia spp. foi verificada em 7/187 (3,74%) amostras e o helminto Enterobius vermiculares em 1/187 (0,53%). Devido ao ciclo destes parasitas envolver a saúde humana, animal e do ambiente, é sugerido que a ocorrência das enteroparasitoses reduza por meio da abordagem de Saúde Única na área urbana de Londrina, PR.

Texto completo:

PDF