ATIVIDADE RESIDUAL E CARÊNCIA IRREGULAR DO ÁCIDO DICLOROFENOXIACÉTICO (2,4-D) NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA SOJA

André Vasquez Souza, Franciele da Silva Quemel, Juliana Silveira do Valle, Simone de Melo Santana Gomes, Ana Daniela Lopes

Resumo


O 2,4-D (ácido diclorofenoxiacético) é amplamente utilizado no controle seletivo, pós-emergência, de plantas de folha estreita, como trigo, milho, arroz, entre outras. Contudo seu uso indiscriminado pode ocasionar problemas no desenvolvimento da cultura. O objetivo do trabalho foi avaliar os danos causados pelo uso inadequado do 2,4-D no desenvolvimento inicial da soja (Glycine max). Os tratamentos consistiram na combinação de cinco períodos de carência: um, quatro, oito, 12 e 15 dias antes da semeadura da soja e duas doses de aplicação: a dose recomendada e a dose duplicada (L/ha), consistindo em um esquema fatorial 5x2 com três repetições. As plantas foram cultivadas por 44 dias, e em seguida coletadas e analisadas quanto à taxa de germinação (%), número de rebrota, índice de clorofila, comprimento de raiz e parte aérea (cm), massa seca e fresca (g). A dose duplicada revelou maior efeito sobre todas as variáveis analisadas, reduzindo em 20% a porcentagem de emergência. O índice de clorofila decresceu quando comparados o menor período de carência (um dia) e o maior (15 dias), e na dose duplicada. A massa seca também foi superior na dose recomendada, assim como o comprimento da raiz e da parte aérea. Os períodos de carência de um, quatro e oito dias foram os que mais influenciaram o crescimento da raiz.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v20i3.2017.6694