PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO PARANÁ DE 2014 Á 2016

Ricardo Magalhães, Gilnéia da Rosa, Jady Slaviero Tieppo, Lahis Cristina Basso, Maria Leticia da Silveira Ames, Luiz Sérgio Merlini

Resumo


Dentre as zoonoses responsáveis pelas maiores perdas socioeconômicas na bovinocultura brasileira, a brucelose possui significativo destaque, sendo considerada uma antropozoonose causada pelas bactérias do gênero Brucella spp. Essas bactérias possuem potencial para infectar diversos mamíferos, inclusive, existem registros de brucelose em cetáceos (baleias e golfinhos). Nos bovinos, as principais maneiras de transmissão se dão pelas descargas bacterianas presentes nos restos de materiais provenientes de abortos de vacas positivas para brucelose, mas também pode ser transmitida pelo leite, cópula, fômites, solo e até a água. As vacas continuam liberando as bactérias por cerca de 30 dias após o parto ou aborto. Para diagnóstico são utilizados testes diretos ou indiretos preconizados pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT). O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil epidemiológico de Brucelose bovina na região noroeste do estado do Paraná de 2014 a 2016. Entre os anos de 2014 a 2016, foram utilizados dados de exames realizados por Médico Veterinário devidamente registrado e habilitado para a realização do diagnóstico. Entre bovinos machos e fêmeas foram testados 12.640 animais, na região noroeste do estado Paraná, sendo o teste utilizado o do antígeno acidificado tamponado (AAT). 26 animais foram positivos para brucelose perfazendo um percentual de 0,2 % do rebanho analisado. Apesar dos baixos índices de animais infectados pela Brucella spp. apresentados nessa pesquisa o controle e uma possível erradicação da brucelose se tornam indispensáveis devido a fácil transmissão e as perdas econômicas provocadas principalmente pelos abortos ocorridos nos últimos trimestres das gestações.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v21i4.2018.7344