PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS MARISQUEIROS E CONDIÇÕES HIGIÊNICAS ADOTADAS NA CADEIA PRODUTIVA DE OSTRA (MOLLUSCA, BIVALVIA)

Eliane Braga Ribeiro, Luciana da Silva Bastos, Zafira da Silva de Almeida, Raimunda Nonata Fortes Carvalho Neta, Francisca Neide Costa

Resumo


O consumo de ostras na forma in natura exige muito cuidado e práticas higiênicas e sanitárias corretas pelos marisqueiros e demais manipuladores desse alimento durante o processo de beneficiamento à comercialização, para que não haja contaminação por microrganismos patogênicos e deteriorantes. O presente estudo teve como objetivo avaliar o perfil socioeconômico de marisqueiros e as condições higiênicas e sanitárias praticadas na cadeia produtiva de ostras do gênero Crassostrea desde a extração até a comercialização. No período de janeiro a abril de 2014, por meio da técnica de amostragem “Bola de Neve” foram selecionados 40 marisqueiros na Ilha de São Luís - MA, os quais foram entrevistados utilizando-se questionário semiestruturado. De acordo com os resultados, a maioria dos marisqueiros, possui ensino fundamental incompleto, faixa etária entre 21 e 30 anos e encontram-se em união estável ou casados. Parte das ostras são extraídas em bancos naturais na área de estudo, enquanto outra parte é proveniente de atravessadores oriundos de outros municípios maranhenses.Após a aquisição, pode demorar até três dias para serem comercializadas. Concluiu-se que as condições higiênicos sanitárias adotadas na atividade de extração de ostras até a comercialização são insatisfatórias, indicando falta de boas práticas em todas as etapas ao longo do processo de produção, o que pode representar riscos à saúde da população apreciadora do consumo in natura desse bivalve. Além disso, indica a necessidade de fiscalização dessa atividade, já que os organismos são transportados de forma inadequada e passam muito tempo até chegar ao consumidor final.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v19i4.2016.6098