SUPLEMENTAÇÃO DE PREBIÓTICO (MANANOLIGOSSACARÍDEO) NA DIETA DE DOIS GENÓTIPOS DE CODORNAS EM CRESCIMENTO

José Jordão Filho, José Humberto Vilar da Silva, Renato Andrade dos Santos, Veruska Dilyanne Silva Gomes, Thiago de Sousa Melo, José Mares Felix, Janiele Ferreira da Silva

Resumo


O uso de antibióticos como aditivo melhorador de desempenho tem sido proibido pela possibilidade de favorecer o desenvolvimento de resistência bacteriana em humanos. Com isso, o objetivo da realização do trabalho foi avaliar o efeito da suplementação do prebiótico mananoligossacarídeo na alimentação de codornas japonesas e europeias em crescimento. Foram usadas 240 codornas de cada linhagem (Coturnix japonica e Coturnix coturnix) distribuídas em delineamento experimental inteiramente casualizado e arranjados em fatorial 2 x 4 (genótipos x níveis de suplementação de prebiótico) e seis repetições de dez aves. As codornas foram alimentadas com ração basal suplementadas com 0,0; 0,05; 0,10 e 0,15% de mananoligossacarídeo em substituição ao inerte. Não houve efeito de interação para nenhuma das variáveis avaliadas (P>0,05). Os níveis de suplementação do prebiótico não afetaram o desempenho e as características de carcaça (P>0,05) das codornas. O consumo de ração não foi alterado entre os genótipos (P>0,05), por outro lado, as codornas europeias apresentaram maior ganho de peso e melhor valor de conversão alimentar (P≤0,05) que as codornas japonesas. Os genótipos comerciais de codornas diferiram nas características de carcaça (P≤0,05). Recomenda-se formular rações sem suplementação do prebiótico mananoligossacarídeo para codornas japonesas e europeias de 21 a 42 dias de idade em ambiente considerando limpo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v20i3.2017.6196