A Alimentação do Bagre Genidens genidens Valenciennes, 1839 em um Banco Areno-Lodoso da Ilha do Mel, Paraná, Brasil

Inês da Silva Rabitto, Vinícius Abilhôa

Resumo


Foi avaliada a variação sazonal da alimentação do bagre Genidens genidens em um banco areno-lodoso na Ilha do Mel, bem como observada as variações por classes de comprimento, peso, estádio de maturação gonadal e número de anéis de crescimento. As coletas foram realizadas entre os meses de julho de 1991 e junho de 1992 através de uma rede de arrasto com portas com 20 m de boca e 35 m de comprimento, com malha de 1 cm, sempre nos períodos de amplitude máxima de marés de sizígia (lua cheia). Foram analisados 48 estômagos através dos métodos de freqüência de ocorrência, volumétrico e índice alimentar. Os itens de maior importância foram crustáceos (decápodos - 41,72% - Alpheus heterochaelis, Xanthidae, Eurytium limosum, Hexapanopeus schmitti, Portunidae, Paguridae e Brachyura; anfípodos - 4,69% - Corophidae e Caprellidae), material não identificado (42,32%) e poliquetas (1,15% - Armandia e Glycinde multidens). Constatou-se que G. genidens apresenta a dieta influenciada pelas variações sazonais, e que está usando o banco areno-lodoso como local de alimentação. Variações significativas de comprimento (27,83 ± 2,91cm) e peso (196,82 ± 80,12g) não foram observadas, e a maioria dos indivíduos apresentou as gônadas nos estádios “imaturo” e “em maturação” com 5,4 ± 0,46 anéis de crescimento. Para a região estudada existe uma forte predominância de crustáceos decápodos na alimentação deste bagre.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v2i2.1999.678