ISOLAMENTO DE Salmonella NA TECNOLOGIA DE ABATE DE SUÍNOS COMO SUBSÍDIO PARA O SISTEMA APPCC

Fernanda Lucia Colla, Daniela de Avila Silva Bohrz, Bruna Webber, Ligiani Mion, Laura Beatriz Rodrigues, Fernando Pilotto, Luciana Ruschel dos Santos

Resumo


A Salmonella pode estar presente em carcaças suínas ao final da tecnologia de abate, sendo que não existem procedimentos de inspeção especificamente direcionados para o controle desta bactéria, consideradas um risco potencial para a saúde pública. O objetivo do trabalho foi verificar a presença de Salmonella em carcaças suínas e caracterizar os pontos críticos de controle (PCCs) da tecnologia de abate como subsídio ao sistema APPCC. Foram realizados swabs de carcaças após a escaldagem/depilação, antes da evisceração, após evisceração e serragem da carcaça e após 24 horas de refrigeração, gerando 120 amostras (30 carcaças de cinco lotes). Isolou-se Salmonella em 53,3% dos PCs analisados, sendo 40% antes da eviscerarão e 30% após a escaldagem/depilação e evisceração/serragem. Nas carcaças resfriadas por 24 horas não foi isolada Salmonella. Os sorovares identificados foram Typhimurium (96,7 %) e Panama (3,22%). O isolamento de Salmonella reforça a necessidade de programas de monitoria da bactéria, desde as granjas até os abatedouros, enquanto o não isolamento nas carcaças resfriadas indica a importância da lavagem final e adequação da cadeia do frio, o que minimiza a contaminação pela intensificação das medidas de higiene e controle de pontos críticos para subsidiar o sistema APPCC.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v17i3.2014.4937