INCLUSÃO DA RACTOPAMINA NA NUTRIÇÃO DE PEIXES

Thiago Dias Trombeta

Resumo


A demanda da população mundial por produtos aquáticos esta se incrementando, enquanto que a produção da pesca extrativa reduzindo, alcançando em muitos casos, seu máximo potencial produtivo. Como consequência, não será possível em curto prazo, sustentar o fornecimento de produtos aquáticos, direcionado a uma população que constantemente cresce e demanda pescados. O setor produtivo segue a tendência atual de outros sistemas de produção animal, os quais vêm buscando o aumento da produtividade, de maneira sustentável, do ponto de vista econômico e ambiental, requerendo, principalmente, o aporte da nutrição para contribuir com essa tendência. Os estudos com os aditivos adicionados a dieta dos animais de cativeiro é uma estratégia que tem demonstrado alto potencial para sua inclusão na aquicultura, havendo a possibilidade de um aumento nos índices produtivos e/ou melhora na qualidade do produto para o consumidor. A ractopamina é um aditivo classificado como um agonista beta-adrenérgico e seu mecanismo de ação esta associado com efeitos sobre o metabolismo dos peixes que diminuem o acúmulo de gorduras, por meio da inibição da lipogêneses e estimulo da lipólise, e por mecanismos que favorecem a síntese de proteínas muscular. Os estudos realizados até o momento comprovam que existem alterações metabólicas nos peixes, embora, não se tem encontrado, em todos os estudos, diferenças significativas nos índices zootécnicos, para assim, estabelecer seu uso na indústria. A realização de mais pesquisas é necessária para o melhor entendimento da ractopamina na alimentação dos peixes, sobretudo, no entendimento dos receptores e mecanismos de ação dos peixes.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v25i1cont.2022.7967

Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR