COVID-19: BIOSSEGURANÇA E EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS NO MUNICÍPIO DE NITERÓI, RJ, BRASIL

Flavio Fernando Batista Moutinho, Gabriela Lins de Albuquerque, Júlia Morse Júlia Morse Horowicz, Nayhara Ramalho Gentil Gentil, Cathia Maria Barrientos Serra

Resumo


O Brasil passa atualmente por uma grave pandemia de uma doença viral emergente denominada Covid-19, a qual já levou ao óbito centenas de milhares de pessoas. Como medidas de controle da doença, vêm sendo implementadas ações de distanciamento social com o fechamento, total ou parcial, de diversas atividades econômicas não prioritárias. Dentre os estabelecimentos não atingidos por essas medidas, encontram-se os do ramo veterinário, devido à necessidade de atendimentos emergenciais para a saúde animal. O presente trabalho, de caráter observacional, seccional e descritivo, buscou descrever e avaliar o conhecimento dos médicos veterinários acerca da doença e seu potencial zoonótico, as medidas tomadas nos estabelecimentos veterinários visando prevenir a transmissão da Covid-19 para as pessoas e os animais e as recomendações realizadas aos tutores de animais de companhia no município de Niterói. Os resultados indicaram que os médicos veterinários apresentaram dificuldade quanto ao reconhecimento da doença como uma zoonose, apesar de conhecerem os modos de transmissão e os animais afetados pela enfermidade. A maioria fazia recomendações aos tutores visando evitar a transmissão da doença. Além disso, os estabelecimentos veterinários buscaram se adequar para o enfrentamento da epidemia, principalmente com medidas que não os impactassem muito do ponto de vista econômico.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqvet.v24i2cont.2021.8500

Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR