LARVAS DE HELMINTOS NO SOLO DE PRAÇAS PÚBLICAS DE CAXIAS, MARANHÃO, BRASIL

Autores

  • Maylane Tavares Ferreira da Silva Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais, Universidade de Brasília (UnB), Brasília/DF http://orcid.org/0000-0002-4058-7251
  • Naelson Railson de Sousa Gomes Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI http://orcid.org/0000-0002-1500-7964
  • Felipe Soares Magalhães Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI
  • Joana D’Arc Oliveira Nascimento Residente em Diagnóstico por Imagem, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI http://orcid.org/0000-0002-7130-5261
  • Clayziane Lino Araújo Arêa Leão Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI http://orcid.org/0000-0001-6493-5954
  • Luanna Soares de Melo Evangelista Profª Drª Departamento de Parasitologia e Microbiologia, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI. https://orcid.org/0000-0003-1954-2662

DOI:

https://doi.org/10.25110/arqvet.v25i1cont.2022.8803

Resumo

Solos de praças públicas são comumente contaminados por helmintos devido ao fácil acesso de cães e gatos infectados. Esses animais ao defecarem podem liberar ovos desses parasitos e, em condições ambientais favoráveis, tornam-se ovos embrionados ou larvas infectantes. O objetivo deste trabalho foi investigar a existência de larvas de helmintos no solo de duas praças públicas do município de Caxias, Maranhão, Brasil, durante a estação chuvosa e seca na região. A pesquisa foi realizada em março de 2018, considerado período chuvoso, e em outubro do mesmo ano, período seco, onde foram coletadas trinta amostras de areia, quinze de cada praça, nos dois períodos do ano. O material foi coletado e levado para o Laboratório de Parasitologia do Departamento de Parasitologia e Microbiologia da Universidade Federal do Piauí para análise. Na estação chuvosa, das quinze amostras analisadas na praça A, cinco foram positivas para larvas de ancilostomídeos e das quinze na praça B, três estavam contaminadas com os mesmos helmintos. No período seco, na praça A havia apenas uma amostra com essas larvas e na praça B não foram encontrados parasitos. Os resultados revelaram a presença de larvas de helmintos de caráter zoonótico no solo de praças públicas de Caxias, Maranhão, principalmente no período chuvoso, servindo de alerta à população local.

Biografia do Autor

Maylane Tavares Ferreira da Silva, Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais, Universidade de Brasília (UnB), Brasília/DF

Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais, Universidade de Brasília (UnB), Brasília/DF

Naelson Railson de Sousa Gomes, Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Felipe Soares Magalhães, Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Joana D’Arc Oliveira Nascimento, Residente em Diagnóstico por Imagem, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Residente em Diagnóstico por Imagem, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Clayziane Lino Araújo Arêa Leão, Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Residente em Clínica Médica e Cirúrgica de Cães e Gatos, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI

Luanna Soares de Melo Evangelista, Profª Drª Departamento de Parasitologia e Microbiologia, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI.

Profª Drª Departamento de Parasitologia e Microbiologia, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI.

Downloads

Publicado

2022-05-12

Edição

Seção

Artigo Original