DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO SUPERIOR: O PROCESSO DE INCLUSÃO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

Taiane Aparecida Ribeiro Nepomoceno, Rosemari Aparecida Pedroso Szezerbatz

Resumo


A constituição federal de 1988 assegura a educação de qualidade em todos os níveis de ensino como um direito de todos, independentemente de qualquer característica. O processo de inclusão escolar e social é uma das dificuldades ainda enfrentadas por pessoas com algum tipo de deficiência. Nesse sentido, a inclusão de alunos com deficiência visual no ensino superior se apresenta como um grande desafio tanto para os alunos quanto para os professores. Sendo assim, o principal objetivo deste estudo é discutir sobre o processo de inclusão dos alunos com deficiência visual no ensino superior e as práticas pedagógicas.  Dessa maneira, o aporte teórico deste artigo baseia-se em Pieczkowski (2012), Castro e Almeida (2014), Alexandrino et al., (2016), entre outros. Portanto, foi possível analisar que a escassez de profissionais qualificados, a falta de materiais específicos, a inadequação dos espaços físicos juntamente com as práticas pedagógicas que são realizadas de forma complacente para com esses alunos, impedem sua permanência e a limitam a qualidade da educação das pessoas com deficiência visual no ensino superior. Atualmente, nota-se que mesmo com os princípios da educação inclusiva encontrando-se presentes na forma da lei, através de resoluções e normativas, pouco se têm feito para que se efetive a política de inclusão, para tanto é preciso construir de maneira coletiva mecanismos que viabilizem um processo inclusivo satisfatório, de modo a avançar rumo à educação de qualidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v18i2.2018.6687