O Xangô de Baker Street: uma quase paródia

Celso Leopoldo Pagnan

Resumo


Este estudo é resultado de uma disciplina que fiz no programa de pós-graduação em Letras da Unesp, nível doutorado. Ao realizá-lo, tive como objetivo demonstrar como o romance de Jô Soares, O Xangô de Baker Street, anuncia uma paródia das novelas detetivescas, mas quebra essa expectativa, quando, ao final da narrativa, redima a figura do detetive infalível em sua reflexão dedutiva, no caso específico trata-se de Sherlock Holmes, e por isto, ao invés de uma paródia, realiza o que chamo de quase paródia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/akrópolis.v8i1.1775