SEXUALIDADE: UM ESTUDO COM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA VISUAL

Vivian Tamara Domingos, Alessandra Patrícia Sgarbossa, Alyne Nogueira Teixeira, Eduardo Alexandre R. da Silva

Resumo


A qualidade das relações afetivo-sexuais encontra-se na intensidade, na intimidade e na capacidade do ser de se envolver com o outro por meio dos sentidos. Considera-se que o impacto da deficiência visual sobre o desenvolvimento individual e psicológico varia entre os indivíduos e depende de uma infinidade de fatores. O portador de deficiência visual é um ser humano igual aos demais, com impulsos sexuais e potencial para viver sua sexualidade, a qual contribui para inseri-lo no mundo. Porém, conforme Schilder (1980), a sexualidade é permeada pelo olhar. A partir dessa afirmativa surgiu o interesse em compreender como acontecem as relações afetivo-sexuais desses sujeitos. Dessa maneira, este estudo tem como objetivo geral investigar de que forma o portador de deficiência visual vivencia a sua sexualidade. Para tanto, participaram da pesquisa dez sujeitos com deficiência visual, de ambos os sexos. Para coletar os dados, foi utilizada uma entrevista semi-estruturada, contendo alguns tópicos de interesse. Os dados foram analisados de forma qualitativa, por meio da Análise de Conteúdo. Obteve-se, como resultado, que a deficiência visual pode acarretar dificuldades nos relacionamentos interpessoais, mas não diretamente na sexualidade. A partir da elaboração deste trabalho pode-se concluir que falta informação clara sobre o conceito de sexualidade aos portadores de deficiência visual e que a Psicologia tem muito a contribuir para a desmistificação do tema, pois se percebem as grandes resistências e fantasias que o envolvem.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/akrópolis.v15i3.1937