Os efeitos fantástiscos no conto “o ex-mágico da taberna minhota”

Maikon Alex da Silva, Vanessa Aleixo, Sandra Elis Aleixo

Resumo


Este trabalho é resultado de pesquisas feitas no período de agosto de 2003 até o presente momento sobre a
literatura fantástica. Ao tratarmos sobre o fantástico, necessariamente aparecerá o nome de Tzvetan Todorov, escritor russo
que foi o primeiro a sistematizar o gênero, enfocando seus temas e seu discurso em “Introdução a Literatura Fantástica”
terminado em 1968. de acordo com a teoria proposta por Todorov (1992), para que um texto seja considerado pertencente ao
gênero fantástico deve apresentar três características essenciais: a hesitação do leitor, ou seja, ele deve interagir com o mundo
proposto, a hesitação do personagem e a leitura não alegórica ou poética. Embora Todorov tenha uma notável importância,
sua teoria não dá conta do gênero na contemporaneidade, visto que para ele o fantástico iniciou-se com o livro “Manuscrito
Encontrado em Saragosa” de Jan Potocki (século XVIII) e findou com as novelas de Guy de Maupassant (século XIX). O
objetivo deste trabalho é comprovar que o fantástico continua existindo e atende a propósitos diferentes de outrora. No Brasil,
a literatura fantástica tem seu fiel representante em Murilo Rubião, escritor mineiro, o qual tem sua obra totalmente voltada
a esse estilo literário. De sua obra, analisaremos o conto “O Ex-mágico da Taberna Minhota”, demonstrando os efeitos de
fantástico presentes nele.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR