MODOS DE PROTESTAR, MOTIVAÇÕES PARA REIVINDICAR - QUESTÕES DE BIOPOLÍTICA EM FACE DOS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL

Wellington Amâncio da Silva

Resumo


Este artigo visa analisar alguns limites entre autonomia e controle biossocial nas práticas pessoais e coletivas na perspectiva dos protestos no Brasil. Pretende ainda investigar as motivações, estratégias e ações de alguns movimentos sociais observando de que modo são influenciadas, e ainda, quais tematicamente se afirmam como busca por reconhecimento (Honneth, 2010). Considera ainda as tipificações cênicas presentes nas manifestações enquanto ações socioculturais em face de seus propósitos de diatribe. Questiona se os protestos afirmam sua condição de campo de luta contra-hegemônica efetiva como instrumental de poder popular (Giroux e Mclaren,1995, 1999, 2001, 2009; Foucault, 2004, 2008, 2009, 2010). A partir dos pressupostos metodológicos da teoria crítica, resultados de pesquisa de natureza conceitual apresentados, deram-se, sobretudo, como resultantes de leituras e pesquisa referencial a textos relacionados e à observação de observação em algumas mídias audiovisuais.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR