EDUCAÇÃO SEXUAL, GRAFITOS ESCOLARES E SUBJETIVIDADES JUVENIS

Tânia Regina Zimmermann, Adriano Rogerio Cardoso

Resumo


Este artigo objetiva uma reflexão sobre a Educação Sexual a partir de representações das subjetividades juvenis expressas em grafitos produzidos por adolescentes na Escola Estadual “Profª Zélia de Lourdes Zaccarelli Lopes” da cidade de Pontalinda, SP entre os anos de 2018 e 2019.  Também pretende-se identificar e analisar nas imagens anseios, dúvidas, presentes nas subjetividades juvenis bem como estigmas e preconceitos de gênero. Nos grafitos observados identificamos que as imagens seguem um padrão semelhante em relação as linhas, formas, volumes, movimentos e dinâmicas. Em relação a metodologia optamos por uma pesquisa descritiva-exploratória, de cunho qualitativo, no qual utilizaremos elementos da análise crítica de discurso (ACD), pois esta contribui para pensar o conjunto da produção das falas e imagens presentes nos grafitos, permite examinar os aspectos linguísticos, imagéticos com aspectos socioculturais. Os resultados da pesquisa apontam a carência de pesquisas sobre essa temática e a existência crescente de preconceitos de gênero nas escolas. Advogamos a importância da Educação Sexual e a necessidade de problematizar questões de gênero e sexualidades nos discursos das políticas curriculares e nos processos de formação de educadores(as). Medra-se a possibilidade de uma reflexão, de (des)construção de preconceitos e de estereótipos generificados permitindo a formação de cidadãos críticos e conscientes em suas subjetividades.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v20i1.2020.7486