Capturabilidade do Gambá-de-Orelha-Branca, Didelphis albiventris, em Uma Área Perturbada do Sudeste do Brasil

Emygdio Leite de Araujo Monteiro-Filho, Augusto Shinya Abe

Resumo


Ao longo de 18 meses o estudo de diferentes aspectos da biologia do gambá-de-orelha-branca, Didelphis albiventris foi desenvolvido em uma área perturbada, parcialmente alagada e situada entre pastos de duas fazendas do município de Campinas, no Estado de São Paulo. Relatamos aqui dados referentes à capturabilidade desta espécie, que é o parâmetro fundamental para se obter os dados complementares de dinâmica populacional, biologia reprodutiva sob condições naturais, área de vida e atividade diária, além de informações sobre o hábito alimentar. No período de estudo, o esforço de captura foi de 5.112 armadilhas/noite, resultando em 95 capturas e recapturas de 27 diferentes indivíduos, não havendo correlação entre a capturabilidade dos gambás e as condições climáticas locais. Alguns poucos animais permaneceram por longos períodos na área de estudos, demonstrando ser residentes, ao passo que a maioria permaneceu por pouco tempo aparentando um comportamento nômade, o que parece ser comum para as outras espécies de gambás.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR