ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS FRENTE À POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DO HOMEM: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Natália Oliveira de Assis, Juliana Rodrigues, Berendina Elsina Bouwman Christóforo, Yolanda Rufina Condorimay Tacsi

Resumo


A não adesão dos homens aos serviços de saúde é um desafio para a enfermagem. Torna-se necessário vencer a resistência masculina ao cuidado preventivo consigo mesmo e incentivar hábitos e costumes de cuidado contínuo entre esta população antes de chegar ao nível terciário de atenção, bem com conhecer como os enfermeiros desenvolvem a Política Nacional de Atenção a Saúde do Homem. Materiais e método: Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória com abordagem qualitativa, desenvolvida com nove enfermeiros que trabalham na atenção primária. A coleta de dados ocorreu entre abril a julho de 2015, por meio de entrevista semiestruturada gravada. O número de participantes foi determinado pelo critério de saturação dos dados e os discursos foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo de Bardin. De acordo com os discursos foi possível a elaboração de três categorias: a capacitação e o conhecimento dos enfermeiros em relação à PNAISH; saúde do Homem na formação do enfermeiro e a demanda do atendimento à saúde do homem e ações desenvolvidas no município. A análise do modo como os enfermeiros desenvolvem a política permitiu afirmar que ainda há necessidade de investir em capacitação para os profissionais de enfermagem que trabalham nas unidades de saúde, possibilitando assim a realização de ações voltadas para população masculina. Verificou-se a necessidade de promover mudanças na forma de atender esta população, buscando capacitar os profissionais para que ampliem o olhar do processo de adoecimento da população masculina e possam auxiliar na promoção de ações e desenvolvimento de estratégias que atraiam os homens para as unidades.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v22i3.2018.6397