Perspectiva Ontológica de “ser – dever ser”

Miguel Reale

Resumo


O homem não é algo de contornos definidos ou mensuráveis. Seu ser é um ser para algo ou para alguém, ou seja, um ser dotado de um sentido. A imagem definitiva do homem por mais que seja condicionada pelo passado, está no seu futuro. Enquanto o futuro não vem decidir sobre o valor de cada homem, o que ele cabe é realizar-se. É a razão da historicidade do ser humano, numa sucessão de contínuas experiências abertas, não extrinsecamente condicionadas apenas por fatores sociológicos ou econômicos. O homem, portanto, constitui-se no ato mesmo em que outorga sentido às coisas, ao longo de seu experienciar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/akrópolis.v1i2.1571