LINGUAGEM EM BENJAMIN: IMPLICAÇÕES NA FORMA DE PENSAR O TEMPO

Thiago Martins Prado

Resumo


Partindo de uma breve explicação sobre suportes temporais por Alfredo Bosi (1992) e Octávio Paz (1984 e 1993), este artigo objetivou explicitar como a concepção de linguagem de Walter Benjamin, ainda que assimile o modo analógico do tempo cíclico da antiguidade e o elogio ao novo do tempo linear da modernidade, apresenta um conceito sobre temporalidade que se opõe radicalmente ao mito e ao progresso. A investigação tornará explícita uma ferramenta teórica benjaminiana chamada correspondência extrassensível, que possibilita o pensamento sobre a linguagem como um arquivo dinâmico de semelhanças, como um composto de correlações obtidas pela memória em estágio contínuo de renovação. Nesse sentido, a conceituação de linguagem por Walter Benjamin fornece bases à sua crítica à historiografia e ao mercado.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR