O ADEQUADO TRATAMENTO DOS ATOS COOPERATIVOS E DOS ATOS NÃO COOPERATIVOS NA ELABORAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS

Isabel Cristina Gozer, Gervaldo Rodrigues Campos, Emílio Araújo Menezes

Resumo


O artigo trará um estudo sobre o cooperativismo agropecuário, sobre a legislação contábil para o setor cooperativista, enfocando o atendimento à Norma Brasileira de Contabilidade NBC T 10.8, que normatiza as demonstrações contábeis cooperativistas. Para isso, foi feita uma explanação sobre a definição do que são atos cooperativos e atos não cooperativos e suas implicações legais
e contábeis. Evidenciou-se também, particularmente, as principais mudanças na demonstração de sobras e perdas do exercício para o setor cooperativista, que, conforme a legislação, deve ser elaborada separando o resultado em ato cooperativo,
através da confrontação de ingressos e dispêndios, e ato não cooperativo, através da confrontação de receitas e despesas, demonstrando a importância do cumprimento da referida norma, para que a contabilidade atinja o seu objetivo, que é gerar informações para a tomada de decisões, pois a informação tem o
poder de mudar comportamentos. Assim, a contabilidade e os demonstrativos contábeis das cooperativas agropecuárias devem ser orientados no sentido de solidificar as relações entre a cooperativa e os associados.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/receu.v8i1.2678