MENSURANDO O “Q” DE TOBIN DE EMPRESAS BRASILEIRAS

Ângelo Cezar Pellegrineli, Jaílson de Oliveira Arieira, Régio Marcio Toesca Gimenes

Resumo


Em um ambiente cada vez mais globalizado, o conhecimento e a aplicação da tecnologia da informação vêm assumindo significativo espaço nas organizações. O capital humano é constituído pelas pessoas que fazem parte de uma organização, e esse capital significa talentos que precisam ser mantidos e desenvolvidos. Mais do que isso, capital humano significa capital intelectual, um capital invisível composto de ativos intangíveis. O indicador “Q”de Tobin é uma das metodologias para se determinar a participação dos ativos intangíveis na estrutura de ativos de uma organização. Esta pesquisa levantou dados de empresas brasileiras de cinco setores diferentes no período de 2003 a 2007, com o objetivo de diferenciá-los em razão dos valores obtidos por este indicador. Os resultados apurados permitiram identificar diferenças significativas nos setores selecionados pela amostra, no entanto, não foi possível afirmar que setores mais tradicionais ou com maior concentração em ativos físicos (tangíveis) possuem o indicador “Q” de Tobin mais baixo, como era esperado.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/receu.v13i1.4364