DISPOSITIVOS HÍBRIDOS: FERRAMENTAS OU INTERMEDIÁRIOS NO PROCESSO DE CONFIGURAÇÃO DE MERCADOS?

Daniela Caldas Acosta, Marcela Bortotti Favero, Fernanda Guarniere

Resumo


O presente ensaio tem como objetivo apresentar uma classificação para a ação do dispositivo na configuração de mercados. Utilizando como plano teórico a perspectiva construtivista de estudos de mercados, buscou-se avançar teoricamente a classificação dos dispositivos que atuam na formatação de mercados. Para desenvolvimento deste trabalho, utilizou-se a pesquisa bibliográfica analisando a descrição da atuação de diferentes dispositivos apresentadas em estudos científicos. Sugere-se a classificação do dispositivo de acordo com a autonomia que o mesmo tem ao longo da ação de configuração do mercado, sendo que este pode ser considerado como um intermediário ou como uma ferramenta. O dispositivo assume papel do ator intermediário quando o mesmo tem capacidade de agência e domínio da ação, conseguindo dessa forma tomar decisões e modelar o mercado sem um filtro de um ator humano. Já o dispositivo como ferramenta tem sua capacidade limitada pela ação de um ator humano, que interpreta os seus resultados e assim age de forma a modelar o mercado.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/receu.v21i1.7792