O PECADO FEMININO: Do exercício e da exploração da sexualidade na prostituição feminina

Vanessa Alexsandra de Melo Pedroso

Resumo


Em tempos atuais, os Estados considerados centrais têm-se dedicado ao debate da prostituição. Porém referido debate está fundamentado em fóruns internacionais que possuem a preocupação de encontrar soluções outras para a problemática das fronteiras internacionais. O tema da prostituição passa, assim, a uma condição de segundo plano, já que é resultante do discurso do tráfico de seres humanos para sua posterior exploração sexual e/ou imigração ilegal. Neste talante, presta-se definir conceitos sobre <<exercício>> e <<exploração>> da sexualidade, assim como estabelecer teorias de disciplina e/ou regularização e quiçá proibição da prostituição. Sem embargo, não resta duvida de que o referido debate é consequência do fenômeno da escolha da prática da prostituição e em nada contribui para a garantia de um futuro diferente para essas mulheres ora prostituídas. O presente trabalho observa uma condição anterior à eleição da mulher para a realização da prostituição, qual seja, a confusa dualidade entre os conceitos de <<exercício>> e <<exploração>> da sexualidade, quando da prática da prostituição. A importância dessa discussão reside no fato de observar a real existência da autonomia dessas mulheres ora prostituídas, quando da eleição do exercício da prostituição, posto que, somente a partir de então, se podem estabelecer políticas, no sentido de prevenir a exploração dessas mulheres.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/rcjs.v12i2.2009.3053