A DIGNIDADE HUMANA: UMA ANÁLISE A PARTIR DE KANT E SARTRE

Amanda Camargo Marques da Silva, Camila Pinheiro Delgado Escarmanhani, Eduardo Sampaio Marcuz, Nickolas Gabriel Canella Sobral, Dorita Ziemann Hasse

Resumo


Atualmente, o princípio da dignidade humana se instaura como um dos pilares do Estado Democrático de Direito, encontrando-se positivado na Constituição Federal. Nesse sentido, a abordagem da problemática referente à dignidade foi desenvolvida, entre outros autores, por Immanuel Kant e Jean-Paul Sartre, que a consideram pertencente a todos os seres racionais e eleva a condição humana em relação aos objetos, uma vez que esses são desprovidos de razão e passíveis de determinação. Dessa forma, buscou-se analisar as abordagens desenvolvidas por Kant e Sartre, seus pontos distintos e similares, a respeito do conceito da dignidade humana, estabelecendo, assim, um paralelo entre ambas teorias, além da relação de tal princípio com o ordenamento jurídico e seus impactos sociais. Ademais, Kant entende que a dignidade se constitui como um fim em si mesmo, isto é, como um valor absoluto concebido como a priori, que estabelece um dever moral de respeito à humanidade. Por seu turno, Sartre considera que tal conceito se faz presente mediante um processo criativo de afirmação da subjetividade do ser, desenvolvendo-se como uma noção a posteriori. Por tais razões, constata-se que o conceito de dignidade apresenta um amplo leque de significações, todavia, preserva as características de universalidade e de incontingência, configurando-se, portanto, como uma peça-chave, tanto no ordenamento jurídico, quanto na filosofia moral.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/rcjs.v24i1.2021.8776

Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR