EFEITOS DAS TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS PORTADORAS DA SÍNDROME DE PRADER-WILLI

Dora de Castro Agulhon Segura, Fabiano Carlos do Nascimento, Thays Cristina de Araújo Sarro, Milena Navarro, Leticia Faciolli Guimarães, Luana Orssato, Jane Ramos Mello Pires

Resumo


A Síndrome de Prader-Willi é uma desordem genética que afeta o cromossomo 15. É caracterizada por baixa estatura, hipotonia muscular, retardo mental, anormalidades no comportamento, características dismórficas, distúrbios respiratórios e apetite excessivo, com obesidade progressiva. Estes pacientes também apresentam desenvolvimento sexual incompleto e podem ter distúrbios visuais e hipopigmentação. A maioria tem redução na capacidade de secreção do hormônio GH e hipogonadismo hipogonadotrópico, sugerindo uma disfunção hipotalâmica-pituitária. O tratamento fisioterapêutico é indicado com embasamento nas disfunções ocasionadas. Entretanto, evidências sugerem melhora da função respiratória e do condicionamento físico, promovendo inclusive uma redução do peso corporal. Sendo assim, foram selecionadas 3 crianças em tratamento em uma clínica de fisioterapia da cidade de Maringá, Pr, de ambos os sexos, idade entre 4 e 5 anos, com diagnóstico clínico definido de Síndrome de Prader-Willi. Inicialmente, os pacientes foram avaliados através do teste de caminhada dos 6 minutos, coletados dados como FC, FR, PA, SaO2 e IMC. Durante 3 meses foram submetidos a um tratamento fisioterapêutico, através de técnicas de reabilitação cardiorrespiratória, duas vezes semanais, com duração de 45 minutos. Após a totalização de 28 sessões, os pacientes foram reavaliados, possibilitando a comprovação dos efeitos das técnicas terapêuticas utilizadas, que, embora estatisticamente não tenham modificado os dados, sugeriram uma melhora geral.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v13i2.2009.3010