ACOMPANHAMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) EM TRATAMENTO MEDICAMENTOSO

Dayane Kelly Sabec, Kleber Fernando Pereira, Eliane Aparecida Campesatto Mella

Resumo


O objetivo deste trabalho foi acompanhar o tratamento de crianças que apresentam o Transtorno do “Déficit” de atenção e hiperatividade (TDAH), enfatizando o diagnóstico, alterações clínicas, o tratamento medicamentoso e os resultados obtidos. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram utilizados 41 prontuários de crianças diagnosticadas com TDAH, o qual por meio de uma ficha de estudo elaborada adquiriu-se os dados necessários para a pesquisa. Após a análise dos dados, pode-se constatar que o transtorno é predominantemente em meninos, com faixa etária dos 6 aos 9 anos de idade, sendo esta considerada a fase crítica de evidências do TDAH. Determinou-se também o grau de escolaridade, observando que o maior índice está classificado entre a 1º a 4º série do Ensino Fundamental. Outra característica importante determinada no trabalho foi o grau de percepção da escola ao identificar o transtorno, esta demonstrou estar integrada com as crianças em todas as atividades. Os medicamentos de primeira escolha identificados foram os estimulantes do sistema nervoso central, no caso o metilfenidato (Ritalina) e os antidepressivos tricíclicos (Imipramina – Tofranil) e em alguns casos têm sido associada à terapia medicamentosa outros medicamentos como a Clonidina (Atensina) para aumentar a eficácia do tratamento. As doses estabelecidas pelos neuropediatras do metilfenidato inicialmente é de 5 mg/dia podendo ser alterada dependendo da terapêutica. A terapia medicamentosa tem obtido grande êxito no tratamento do TDAH, no entanto, é um tratamento de longo prazo que deve ser monitorado a cada 3-4 meses pelo neuropediatra, para ser reavaliado e acompanhado a evolução do tratamento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v13i3.2009.3203