EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA SOBRE A FUNÇÃO PANCREÁTICA E A SENSIBILIDADE TECIDUAL À INSULINA EM RATOS

Flávia Cristina Rossi Caruso, Cauê Padovani, Ana Paula Lima De Deus, Bruno Rafael Orsini Rossi, Karina Maria Cancelliero, Carlos Alberto Silva, Audrey Borghi-Silva

Resumo


Estudos têm demonstrado que o exercício aeróbio promove elevação na sensibilidade tecidual à insulina (SI) e na tolerância à glicose (TG), porém a análise de tais variáveis após treinamento de força (TF) tem sido pouco explorada. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do TF sobre a TG e SI em ratos. Foram estudados 20 ratos Wistar, pareados por peso e aleatoriamente distribuídos em 2 grupos: G1 – Sham e G2 – TF. Todos os animais foram submetidos a 3 dias de adaptação e, subsequentemente, treinados com cargas progressivas por 3 vezes por semana, durante 8 semanas numa escada de madeira. Para avaliar SI e TG foram realizadas coletas de sangue e avaliada a cinética da glicemia pelo teste de tolerância à insulina (% de decaimento da curva; B) e o teste de tolerância à glicose (área sob a curva; AC), antes da adaptação e após o 24º dia de treinamento. A análise estatística foi realizada pelo teste t de Student pareado e não-pareado, sendo o p ≤ 0,05. Apenas G2 mostrou significativo aumento no B após treinamento, sendo que o delta do B entre os grupos mostrou diferenças significativas (p ≤ 0,05), com maiores valores no G2. Em contraste, AC não apresentou alteração significativa entre os grupos nem entre os deltas (p > 0,05). O TF promoveu benefícios adaptativos na sensibilidade tecidual à insulina, sugerindo que o TF pode ser um recurso interessante durante programas de fisioterapia cardiovascular em doenças crônicas.

Texto completo:

Sem título


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v14i3.2010.3664