A VIVÊNCIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA E A UTILIZAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO

Vanessa Rodrigues de Lima, Vanessa Denardi Antoniassi Baldissera, André Estevam Jaques

Resumo


Ao cuidar de pessoas que vivenciam a hipertensão arterial sistêmica faz-se necessário conhecer suas estratégias de enfrentamento, pois atitudes de negação, supervalorização, descrença, perturbação da autoimagem e do autocontrole podem ser identificadas e impulsionarão a pessoa para a não-aceitação de sua condição crônica, favorecendo os riscos de não aderir ao tratamento proposto. Esta pesquisa buscou descrever o impacto da hipertensão arterial sistêmica na vida cotidiana das pessoas que vivenciam a doença, desde seu diagnóstico, apontando as estratégias de enfrentamento (coping) utilizadas. Desenvolveu-se um estudo qualitativo, descritivo e exploratório. A pesquisa foi desenvolvida com 15 pessoas com diagnóstico de hipertensão arterial sistêmica cadastradas e acompanhadas em um centro de saúde de um município do noroeste do Estado do Paraná-Brasil, conduzidos em grupo de encontros semanais, durante 12 semanas, no período de Julho a Outubro de 2008, pelo método de abordagem narrativa da enfermidade através da técnica de grupo focal. No que se refere ao cotidiano da vida, desde o diagnóstico da doença, apreendemos que houve impactos referentes à dieta, ao uso contínuo de medicamentos como rotina e ao controle do estresse. Como estratégias de coping evidenciaram-se a gestão do problema e a gestão da emoção, incluindo a prática do lazer, mudanças nas práticas alimentares, mudanças na rotina de vida diária com hábito diário de auto-administração de medicamento, busca pela espiritualidade. O reconhecimento dessas estratégias pelas equipes de saúde e sua correta utilização fazem-se necessárias para consolidá-las mediante ações assistenciais que incluam apoio, colaboração e co-participação familiar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v15i3.2011.4085