PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS AGRESSÕES CANINAS NOTIFICADAS NO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL, ACRE, DURANTE O PERÍODO DE 2007 A 2015

Jayne da Silva Negreiros, Soraia Figueiredo de Souza, Charles Pelizzari, Vânia Maria França Ribeiro, Acácio Duarte Pacheco, Luciana dos Santos Medeiros, Tamyres Izarelly Barbosa da Silva, Mayara Marques Pereira Fernandes

Resumo


A interação entre homens e animais tem consequências para a saúde pública, como o aumento dos casos de raiva, uma zoonose letal. Neste estudo, foram analisadas 1047 fichas do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Os dados foram representativos do tratamento preventivo anti-raiva humano no município de Cruzeiro do Sul, Acre, de 2007 a 2015. O maior número de casos foi registrado em 2013 (17,95%) e a maior incidência de ataques ocorreu nas regiões urbanas (86,1%). As feridas resultantes de mordida de cão corresponderam a 98,66% dos ataques. Os animais foram classificados como suspeitos da raiva em 65,42% dos casos, no entanto, apenas 1% foram clinicamente diagnosticados como positivos. Apenas 4% das vítimas humanas foram submetidas a exame para pós-exposição de titulação. Os resultados indicam que os programas de Saúde Pública devem considerar como prioritários os ataques de cães na área urbana na cidade de Cruzeiro do Sul, Acre.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v22i2.2018.6377