DO APELO AO NÃO INSCRITO À METÁFORA DELIRANTE: CONSIDERAÇÕES SOBRE A SUBJETIVAÇÃO PSICÓTICA EM FREUD E LACAN

Matheus Ramalho, Miriam Izolina Padoin Dalla Rosa

Resumo


Fundamentando-nos no ensino de Sigmund Freud e Jacques Lacan, objetivamos circunscrever o problema da estruturação psicótica por forma a sustentar uma pertinente interrogação: quais as especificidades dispensadas ao manejo de uma clínica psicanalítica das psicoses? Em última instância, sem quaisquer pretensões de ser exaustivo, o presente trabalho é dedicado a delimitar as particularidades de um sinuoso trajeto que, correlativo à emergência de um chamado simbólico, destina-se à edificação de um recurso capaz de abrandar os efeitos da não incidência da metáfora paterna. Nesse sentido, objetivando apreender as especificidades do conceito de metáfora delirante, apresentaremos a causação psicótica em dois distintos momentos: de sua atribuição ao advento de uma fantasia de desejo homossexual à proposição do conceito de foraclusão do Nome-do-Pai no campo Outro. Com este movimento, far-se-á possível discorrer acerca do retorno do significante no Real e seus efeitos correspondentes.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR