AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE COMO ESPAÇOS LIVRES URBANOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMUARAMA-PR

Alexander Fabbri Hulsmeyer, Bruno Eichinger Françoso, Anne Elize de Oliveira Panissa

Resumo


A cidade de Umuarama-PR, planejada e implantada nos anos 1959 foi estrategicamente posicionada entre os divisores de água de três pequenas bacias de córregos que nascem ao seu redor, evitando o conflito com fundos de vale. A expansão urbana trouxe novas formas de ocupação que vem impactando de forma acentuada estes espaços, situação que impossibilita a inserção urbana destes espaços através de muros de lotes, condomínios e loteamentos fechados, além de ocupações irregulares. Realizado com dados organizados pelo Programa de Iniciação Científica – PIC no Laboratório da Paisagem da UNIPAR, este trabalho demonstra que as exigências da legislação ambiental em relação às áreas de preservação permanente urbanas, aplicadas isoladamente, não garantem o importante papel social e ambiental dos fundos de vale enquanto espaços livres na cidade.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR