FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS IRREGULARES IDENTIFICADOS EM PACIENTES ATENDIDOS EM UM HEMONÚCLEO NO SUDOESTE DO PARANÁ NO ANO DE 2017

Volmir Pitt Benedetti, Mardjori Andrade Hellmann, Maiara Cristina De Cesaro, Ana Frida Duarte, Mariangela Cauz, Raquel Gabriela Moresco

Resumo


Quando um indivíduo é exposto a antígenos eritrocitários não próprios, ocorre uma resposta imunológica, que leva à produção de anticorpos irregulares voltados contra esses antígenos. Esse processo é conhecido como aloimunização eritrocitária e acontece em decorrência de transfusões de sangue ou gestações incompatíveis. Na medicina transfusional a pesquisa de anticorpos irregulares é fundamental, pois a falha na detecção de um aloanticorpo pode provocar reações transfusionais, aloimunizações, anemias hemolíticas autoimunes e doença hemolítica perinatal. Este estudo tem por objetivo analisar a frequência de anticorpos irregulares de pacientes atendidos no Hemocentro Regional de Francisco Beltrão, Paraná, no ano de 2017. Os dados foram coletados a partir da revisão de registros em arquivos do Laboratório de Imunohematologia do Hemonúcleo. Foram avaliados dados de 49 protocolos de pacientes que apresentaram dificuldades transfusionais no ano de 2017. Dentre os pesquisados, 37 pacientes (75,5%) apresentaram anticorpos irregulares. Dentre os anticorpos anti-eritrocitários observados neste estudo, evidenciou-se a presença de doze pacientes com anti-D (27,2%), seis pacientes com anti-K (13,6%), quatro pacientes com anti-C (9,0%) e em seis pacientes (13,6%) foi observada a presença de autoanticorpos. Este estudo indica que, nos pacientes transfundidos, os anticorpos mais frequentes foram os aloanticorpos Anti-D do Sistema Rh, provavelmente devido ao seu alto grau de imunogenicidade. A prevalência desses anticorpos é semelhante a vários estudos encontrados na literatura.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v24i3.2020.7542